Uncategorized

Não há uma coisa chamada fracasso. Há somente resultados.

Não há essa coisa chamada fracasso. Há somente resultados. Esta crença é quase um corolário do número um, e é também importante em si mesma. Muitas pessoas em nossa cultura foram programadas para temer essa coisa chamada fracasso. No entanto, todos nós podemos pensar em ocasiões em que quisemos uma coisa e conseguimos outra. Fomos todos reprovados num teste, sofremos por um romance frustrante que não deu certo, montamos um plano de negócios para ver tudo sair errado. Usei as palavras “efeito” e “resultados” porque é o que as pessoas bem-sucedidas vêem. Elas não vêem fracasso. Não acreditam nele. Isso não conta. As pessoas sempre conseguem alcançar algum tipo de resultado. Os super sucessos de nossa cultura não são pessoas que não falham, mas simplesmente pessoas que sabem que se tentarem alguma coisa e não obtiverem o resultado desejado, pelo menos tiveram uma experiência de aprendizado. Elas usam o que aprenderam e tentam alguma outra coisa. Tomam algumas novas medidas e produzem al- guns novos resultados. Pense nisso. Qual é o único item, o único benefício que você tem hoje, a mais que ontem? .A resposta, claro, é experiência. Pessoas que temem o fracasso fazem com antecedência representações internas do que poderá não funcionar. É isso que não lhes permite tomar a única medida que poderia assegurar o cumprimento de seus desejos.

Você tem medo de fracasso? Bem, como se sente sobre o aprendizado? Você pode aprender com cada experiência humana e pode, por meio disso, ter sucesso em qualquer coisa que faça. Certa vez, Mark Twain disse: “Não há visão mais triste do que um jovem pessimista”. Ele estava certo. Pessoas que acreditam em fracasso têm quase garantida uma existência medíocre. Fracasso é alguma coisa que só não é percebida por pessoas que conseguiram grandeza. Elas não residem com ele. Não juntam emoções negativas a alguma coisa que não funciona. Deixe-me compartilhar com vocês a história da vida de alguém. Era um homem que:

Faliu no negócio com 31 anos de idade.

Foi derrotado numa eleição para o Legislativo com 32 anos.

Faliu outra vez no negócio aos 34 anos.

Superou a morte de sua namorada aos 35.

Teve um colapso nervoso quando tinha 36 anos.

Perdeu uma eleição com a idade de 38. 41

Perdeu nas eleições para o Congresso aos 43, 46 e 48.

Perdeu uma disputa para o Senado com a idade de 55.

Fracassou na tentativa de tornar-se vice-presidente aos 56 anos.

Perdeu uma disputa senatorial aos 58 anos.

Foi eleito presidente dos Estados Unidos aos 60 anos. O nome do homem era Abraham Lincoln. Poderia ele ter se tornado presidente se tivesse visto suas perdas nas eleições como fracassos? É pouco provável. Há uma famosa história sobre pho- mas Edison.

Após ter tentado 9.999 vezes aperfeiçoar a lâmpada e não ter conseguido, alguém perguntou-lhe: “Você vai ter dez mil • ” E ele respondeu:

“Não falhei. Acabo de  descobrir outra maneira de não inventar a lâmpada elétrica”.

Tinha descoberto como outro conjunto de ações produzira um resultado diferente.

“Nossas dúvidas são traidoras, E nos fazem perder o bem que sempre poderíamos ganhar, Por medo de tentar.” William Shakespeare

Vencedores, líderes, mestres – pessoas com poder pessoal -todos entendem que se você tentar alguma coisa e não conseguir o efeito que que isso simplesmente feedback. Você usa essa informação para fazer distinções mais precisas sobre o que necessita para produzir os resultados que deseja. Certa vez, Buckminster Fuller escreveu: “Qualquer coisa que os seres humanos aprenderam, tiveram’ de aprendê-lo como consequência do processo de tentativa e erro. Os humanos só aprenderam através de erros”. Algumas vezes aprendemos com nossos erros, outras vezes com os erros de outros.

Pare um minuto para refletir sobre os cinco maiores, assim chamados “fracassos” de sua vida. O que aprendeu com essas experiências É provável terem sido algumas das mais valiosas lições que aprendeu na vida. Fuller usa a metáfora do leme de um navio. Diz que quando leme está em ângulo em relação a um outro lado, o navio tende manter o rumo, sem a intenção do timoneiro. Ele tem de corrigir o rumo movendo-o para trás, em direção à posição original em processo interminável de ação e reação, ajustamento e correção. Imagine isto em sua mente, um timoneiro em mar tranquilo, dirigindo seu barco mansamente em direção ao seu destino, superando milhares de inevitáveis desvios de sua rota. É uma imagem agradável, e é um lindo modelo para o processo de viver com sucesso. Mas a maioria de nós não pensa dessa maneira. Cada erro, cada engano, tende a fixar-se na bagagem emocional. É um fracasso que se reflete muito mal em nós. Muitas pessoas, por exemplo, ficam desanimadas porque são gordas. Suas atitudes com relação a obesidade não mudam em nada. Em vez disso, poderiam admitir o fato de que estão tendo sucesso na obtenção de um resultado chamado excesso de gordura e que agora vão conseguir um novo resultado chamado ser magro.

Conseguiriam esse novo resultado praticando novas ações. Se você não estiver certo de que ações precisa para conseguir esse resultado, preste especial atenção ao capítulo X, ou modele alguém que conseguiu o resultado chamado ser magro. Descubra que ações específicas essa pessoa consegue, mental e fisicamente, para permanecer sempre magra. Consiga as mesmas ações e con- seguirá os mesmos resultados. Enquanto encarar seu excesso de peso como um fracasso, você estará imobilizado. No entanto, no minuto em que mudá-lo para um resultado que conseguiu, portanto um resultado que você pode mudar outra vez, então seu sucesso estará garantido.

A crença no fracasso é um modo de envenenar a mente. Quando armazenamos emoções negativas, afetamos nossa fisiologia, nosso processo mental, e nosso estado. Uma das maiores limitações de grande parte das pessoas é seu modo de fracassar. O dr. Robert Schuller, que ensina o conceito de pensamento de possibilidade, faz uma grande pergunta:

“O que você tentaria fazer se soubesse que não poderia fracassar?

” Pense nisso. Como responderia? Se realmente acreditasse que não poderia falhar, poderia adotar toda uma série nova de medidas e conseguir novos resultados desejados, fortalecedores. Não estaria você ficando melhor, tentando-os? Não é essa a única maneira de crescer? Portanto, sugiro que comece a compreender agora que não existe coisa como o fracasso. Há somente resultados. Você sempre produz um resultado. Se não é aquele que deseja, pode só mudar suas ações e produzirá novos resultados. Corte a palavra “fracasso”, assinale a palavra “resultado” e comprometa-se a aprender com toda a experiência.

 

Fonte: Livro o Poder Sem Limites – Autor Anthony Robbins- O Caminho para o sucesso por meio da programação neurolinguistica.

2 Comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

limpar formulárioPostar Comentário